Blog do Vamp

O Vampiro de Curitiba




___"Estado, chamo eu, o lugar onde todos, bons ou malvados, são bebedores de veneno; Estado, o lugar onde todos, bons ou malvados, perdem-se a si mesmos; Estado, o lugar onde o lento suicídio de todos chama-se... "vida"!" (F. Nietzsche)

ParkeHarrison: The Architect's Brother

















O Vampiro de Curitiba




18 comentários:

"A Oligarquia de Esquerda", excelente artigo de Luiz Felipe Pondé, na Folha de ontem:

Você acredita em justiça social? Tenho minhas dúvidas. Engasgou? Como pode alguém não crer em justiça social? Calma, já explico. Quem em sã consciência seria contra uma vida “menos ruim”? Não eu. Mas cuidado: o jargão “por uma sociedade mais justa” pode ser falado pelo pior dos canalhas. Assim como dizer “vou fazer mais escolas”, dizer “sou por uma sociedade mais justa” pode ser golpe.

Aliás, que invasão de privacidade é essa propaganda política gratuita na mídia, não? O desgraçado comum, indo pro trabalho no trânsito, querendo um pouco de música pra aliviar seu dia a dia, é obrigado a ouvir a palhaçada sem graça dos candidatos. Ou o blablablá compenetrado de quem se acha sério e acredita que sou obrigado a ouvi-lo.

Mas voltando à justiça social, proponho a leitura do filósofo escocês David Hume (século 18), “An Enquiry Concerning the Principles of Morals, Section III”. Cético e irônico, Hume foi um dos maiores filósofos modernos. É conhecida sua ironia para com a ideia de justiça social. Ele a comparava aos delírios dos cristãos puritanos de sua época em busca de uma vida pura. Para Hume, os defensores de um “critério racional” de justiça social eram tão fanáticos quanto os fanáticos da fé.

Sua crítica visava a possibilidade de nós termos critérios claros do que seria justo socialmente. Mas ele também duvidava de quem estabeleceria essa justiça “criteriosa” e de como se estabeleceria esse paraíso de justiça social no mundo. Se você falar em educação e saúde, é fácil, mas e quando vamos além disso no “projeto de justiça social”? Aqui é que a coisa pega.

Mas antes da pergunta “o que é justiça social?”, podemos perguntar quem seriam “os paladinos da justiça social”. Seria gente honesta? Ou aproveitadores do patrimônio dos outros e da “matéria bruta da infelicidade humana”, ansiosos por fazer seus próprios patrimônios à custa do roubo do fruto do trabalho alheio “em nome da justiça social”? Humm…

A semelhança dos hipócritas da fé que falavam em nome da justiça divina para roubar sua alma, esses hipócritas falariam em nome da justiça social para roubar você. Ambas abstratas e inefáveis, por isso mesmo excelentes ferramentas para aproveitadores e mentirosos, as justiças divina e social seriam armas poderosas de retórica autoritária e mau-caráter.

Suspeito de que se Hume vivesse hoje entre nós, faria críticas semelhantes à oligarquia de esquerda que se apoderou da máquina do governo brasileiro manipulando uma linguagem de “justiça social”: controle da mídia, das escolas, dos direitos autorais, das opiniões, da distribuição de vagas nas universidades, tudo em nome da “justiça social”. Ataca-se assim, o coração da vida inteligente: o pensamento e suas formas materiais de produção e distribuição.

(continua)

 

(continuação)
A tendência autoritária da política nacional espanta as almas menos cegas ou menos hipócritas. A oligarquia de esquerda associa as práticas das velhas oligarquias ao maior estelionato da história política moderna: a ideia de fazer justiça social a custa do trabalho (econômico e intelectual) alheio.

Outro filósofo britânico, Locke (século 17), chamava a atenção para o fato de que sem propriedade privada não haveria qualquer liberdade possível no mundo porque liberdade, quando arrancada de sua raiz concreta, a propriedade privada (isto é, o fruto do seu esforço pessoal e livre e que ninguém pode tomar), seria irreal.

Instalando-se num ambiente antes ocupado pela oligarquia nordestina, brutal e coronelista, e sua aliada, a chique oligarquia industrial paulista, os “paladinos da justiça social” se apoderam dos mecanismos de controle da sociedade e passam a produzir sucessores e sucessoras tirando-os da cartola, fazendo uso da mais abusiva retórica e máquina de propaganda.

Engana-se quem acha que propriedade privada seja apenas “sua casa”. Não, a primeira propriedade privada que existe é invisível: sua alma, seu espírito, suas ideias. É sobre elas que a oligarquia de esquerda avança a passos largos. Em nome da “justiça social” ela silenciará todos.

 

Rogerio,

Que fotos...lindas elas 'falam'...
da um no dentro da gente...uma angustia um aperto!!

saudades , saudades ....
LINDAS IMAGENS , LINDAS FOTOS....
Bjs
Sue

 

Oi, Sue!
Saudades, querida!
Beijos!

 

FUDIDO!!!!
Arrasou Vamp meu véio

 

UAAAAAAAAAAAAAAAAU!!!!!!!!!!!!!!

 
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
 

Legal, né,Sandra?
Eu adorei essas imagens.

 

Vampiro, vi essa pérola num blog que noticiava que um jornal iraniano tinha chamado Carla Bruni-Sarkozy de prostituta:

One day the famous Greek actress/politician Melina Mercuri (Never on Sunday star)
was celebrating her retirement from politics, with a walkabout in Athens
with a brass band in tow and her favourite general Thanasis Papadopoulos (ret) in uniform escorting her, arms .interlocked
As they were walking through Athens, people were cheering, but something wasn't right.
Ms. Mercuri, could hear people saying, "there goes Melina the (poutana) prostitute, with general Papadopoulos"
She heard it but she ignored it hoping no one would pay any attention.
Another half mile and the same thing, "there goes Melina the prostitute, with general Papadopoulos" she tried to ignore it,
"there goes Melina the prostitute, with general Papadopoulos"
finally in frustration she turns to the general and says, "why do they say that?"
I gave them the best years of my life, they're ungrateful, why do they say that?
Why?
The general calmly turns to her and says, "Melina darling, don't get upset, I'm retired and they still call me general"

 

Acredito no tempo, neste tempo de não votar no PT.
Bom, eu estou derrotado, Lula triunfou,
como sempre afirmei, sou Tucano, voto no Serra.
PSDB desconhece a obra do Fernando Henrique, por isto sempre perderemos, renegamos a nossa posteridade.
Se vamos perder, então, vamos perder.
Sei de nada.

 

Terrinha a vista.

Desde que cheguei em Israel, passei, naturalmente, a ter um olhar mais crítico com relação à Comunidade Judaica Brasileira na qual, até com algum fervor, durante um tempo, tive participação ativa. O primeiro postulado que me parece bastante claro, por mais polêmico que possa parecer e por mais críticas que possa receber, é "Sionismo sem Aliá perde o sentido".

A história que o Sionismo tem várias gradações pode parecer, na teoria, muito interessante e romântica mas, na prática, o mero apoio à existência de Israel, moral e/ou financeiro, como toda a sua relevância, afasta-se, na essência, do conceito de Sionismo real.
Essas elucubrações ganham mais importância em momentos, como o presente, quando o antissemitismo moderno transmuda-se, às claras, em anti-israelismo. Não são raros - mais, são crescentes - os discursos mundiais que põem em xeque a legitimidade da existência do Estado Judeu.

Tenho um caro conhecido que, bem à época do episódio da flotilha vinda da Turquia para furar o bloqueio marítimo a Gaza, que foi abordada violentamente pelas Forças de Defesa de Israel, esteve no Brasil, e pôde, de forma cristalina, sentir uma latente preocupação da Comunidade Judaica Brasileira sobre sua segurança em terras tupiniquins; tudo, em razão das reações que se sentiram por lá.

E não falo da quase esquizofrênica mania de Mossad, de que é fomentadora a Comunidade Judaica Brasileira quando alicia jovens com discursos ufanistas para fazerem a sua pseudossegurança. Parabéns a todos que se engajam nesse projeto, pelo idealismo e dedicação, mas fiquem sabendo que suas contribuições são equivalentes a uns famosos versos de Geraldo Vandré em "Para Não Dizer que Não Falei de Flores".

Outra premissa importante para as conclusões que expressarei ao final é a forte - porém tapada com a peneira - ligação entre Aliá e a condição socioeconômica de seus candidatos. Posso dizer, com o mínimo risco de estar errado, que mais de noventa por cento daqueles que vêm se aventurar em Eretz não são dotados de um pujante sentimento de amor a Israel, amor esse a ponto de projetarem sua Aliá como um mero ideal. Vêm para cá em busca de uma nova oportunidade socioeconômica. Ouvi de uma pessoa muito querida, nesse sentido, que Israel, na verdade, deveria mudar o seu epíteto de "terra do leite e do mel" para "terra da última chance".

E essa chance é penosa. As condições de ascenção em Israel, bem possíveis diga-se de passagem, são permeadas pelas barreias linguísticas, culturais e educacionais. Enquanto no Brasil, um profissional que ligeiramente esteja acima da linha da mediocridade tem grandes chances de sucesso, aqui, ele será engolido por um mercado altissimamente qualificado e, muitas vezes, relegado a subposições que garantirão, com considerável esforço, o bastante para a sua subsistência básica. Basta dizer, para deixar isso bem claro, que a Lei de Gerson não foi - e jamais será - promulgada por aqui.

Todas essas considerações fazem-me lembrar que boa parte da Comunidade Judaica Brasileira, mormente os seus integrantes que não teriam condições de fazê-lo, constuma caminhar com os seus narizes apontados para cima da linha do horizonte. É óbvio que é injusto radicalizar e generalizar, mas o conceito de humildade, para dizer o menos, não tem lá a sua devida relevância para esse grande grupo de pessoas.
Retornando ao meu ímpeto matemático, sou capaz, agora, de apresentar meu segundo postulado: "Aliá sem humildade resulta em Ieridá, rapidamente". Veja-se bem que o conceito de humildade, aqui, é empregado em sentido lato, sobremaneira.

Abro parênteses. Nem uma reserva financeira é capaz de aplacar a necessidade de ser humilde como premissa básica para sobreviver em Israel. Pode parecer óbvio, mas as pessoas se esquecem que reserva financeira e humildade, em condições normais de temperatura e pressão, constumam ser grandezas inversamente proporcionais. Fecho parênteses.

(continua)

 

(continuação)

Empreguemos, então, esses conceitos quase esotéricos à realidade pulsante.

Não tenho nenhuma vocação para pitonisa; não almejo nenhum posto no clã dos profetas do apocalipse. Contudo, um pouco de lógica e percepção da realidade é suficiente para projetar alguns movimentos possíveis, se não prováveis.

A primeira projeção é que a condução da política externa brasileira tem tudo para ser afetada pelo continuismo pragmático e aponta para, do ponto de vista macroscópico, para um enraizamento ainda mais profundo do sentimento nacionalista e, sob um dos pontos de vista microscópicos que interessa ao presente ensaio, para uma crescente aproximação de regimes, também nacionalistas, de fortíssima tendência autocrática, incluindo-se aí o do Irã.

A segunda projeção é de que o presente desafio da segunda metade do primeiro século de existência do Estado de Israel aponta para mínimas chances de solução pacífica do conflito externo israelense com o Irã e, em consequência, num afastamento óbvio daqueles países que mantiverem relações próximas com aquele país.

Essa inexorável rota de colisão - uma verdadeira mistura explosiva - há de ter consequências importantes para relação entre as sociedade civil e a comunidade judaica brasileiras. A imagem do judeu será imediatamente ligada ao apoiador de Israel, ostente ele essa condição ou não. A sensação de segurança cairá a níveis baixíssimos; não diria, eu, insuportáveis (porque lembrando a frase de um grande estadista contemporâneo, já falecido, "esse país [o Brasil] não pode ser sério"), contudo baixos o bastante a ponto de acender uma centelha de medo naqueles mais esclarecidos.

Projeto que uma boa parte da Comunidade Judaica Brasileira - diria eu, a arraia miúda acompanhada da casta imediatamente superior - considerará fortemente a Aliá como uma opção segura. E desse grande número de pessoas, não tenho medo de arriscar que uns dez a quinze por cento encontrarão outros motivos, fatalmente ligados às suas condições socioeconômicas, para concretizarem a sua vinda a Israel.

Essa onde que, salvo engano, já teve algo similar - guardadas as devidas proporções e as conjeturas históricas - na década de 1960, será capaz de dobrar a população brasileira em Israel, desconsiderado eventual crescimento vegetativo dos já aqui encontrados, num prazo, digamos, sem muita precisão, de 5 a 10 anos.
É óbvio que esse movimento tem algo de muito positivo e uma imigração desse porte é muito bem vinda por aqui, por vários motivos que fogem ao escopo do que ora escrevo. Talvez numa próxima oportunidade.

Mas temo - e aí vai a minha arriscada, porém convicta, conclusão - que boa parte desse contingente terá um destes dois destinos: ou não suportarão ser confrontados com suas respectivas empáfias - e com a fatídica dispensabilidade de suas arrogâncias para o engrandecimento de Israel - e engrossarão as fileiras daqueles que cogitarão a falta de necesidade de um Estado Judeu; ou por aqui permanecerão subsistindo não sem inculcar em outros as mazelas de suas incapacidades pessoais.

Contudo e com tudo, Israel há de sobreviver. A seleção natural cuidará para que a parca minoria vencedora vingue e continue a contribuir para a legitimidade de um país qu se orgulha de sua capacidade intelectual e produtiva, garantidora de um Estado forte, em todos os sentidos.
Estarei aqui; na ânsia de minimizar tanto o sofrimento dos incautos como também para lutar, com as armas que me estiverem disponíveis, pelo sucesso dos persistentes.

Avid Zahav

 

Bom dia!

Blog do Vamp
Recent Visitors by Location
Detail Country Location
1
Brazil So Paulo, Sao Paulo
2
Israel Ramat Gan, Tel Aviv
3
United States Mountain View, California
4
Brazil Camboriu, Santa Catarina
5
Brazil Porto Alegre, Rio Grande do Sul
6
Brazil Guarulhos, Sao Paulo
7
Brazil Santana De Parnaba, Sao Paulo
8
Brazil Porto Nacional, Tocantins
9
Brazil Braslia, Distrito Federal
10
Brazil Rio De Janeiro, Rio de Janeiro
11
France Paris, Ile-de-France
12
Brazil Belo Horizonte, Minas Gerais
13
Brazil So Paulo, Sao Paulo
14
Brazil Rio De Janeiro, Rio de Janeiro
15
United States Brooklyn, New York
16
Brazil So Paulo, Sao Paulo
17
Brazil Palmas, Tocantins
18
Brazil So Jos Dos Campos, Sao Paulo
19
Brazil Fortaleza, Mato Grosso do Sul
20
Brazil Belem, Para
[1] 2 3 4 5

 

Pessoal, hoje, para não variar, estou numa correria do cão. Vão levando o blog aí, assim que der eu libero os coments.
Até breve!

 

Gostaria de saber a opinião do vamp e do Gerald sobre a babaquice deste pastor americano que vai queimar o alcorão no 11 de setembro, parece aquele idiota que chutou uma imagem de nossa senhora aparecida em rede nacional. Acho que isso não é liberdade de expressão.

 

Juliano, te respondo no post de cima.

 

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão aprovados.