Blog do Vamp

O Vampiro de Curitiba




___"Estado, chamo eu, o lugar onde todos, bons ou malvados, são bebedores de veneno; Estado, o lugar onde todos, bons ou malvados, perdem-se a si mesmos; Estado, o lugar onde o lento suicídio de todos chama-se... "vida"!" (F. Nietzsche)

Nobel de Física: A Partícula de Deus

(O belga François Englert e o britânico Peter Higgs estiveram presente quando, em 2012, cientistas que trabalhavam no LHC confirmaram as teorias desenvolvidas pelos dois cinquenta anos antes)

Não foi surpresa a escolha de Peter Higgs e François Englert para o Nobel de física deste ano. Já havia comentado aqui e aqui sobre o assunto. Hoje divulgou-se, oficialmente, a escolha dos físicos teóricos pais da "Partícula de Deus" como vencedores do prêmio. Fico feliz e satisfeito com o prêmio justíssimo, óbvio. Entretanto, a prova da existência do campo de Higgs explica a formação de apenas parte pequeníssima da matéria que conhecemos, aí inclusa a própria vida. A grande estrutura do Cosmos, no entanto, é formada por matéria e energia escuras - algo que ainda desconhecemos completamente. 

O grande fato para a Ciência causado pela descoberta do Bóson de Higgs e que está sendo comemorado por todo mundo é que, finalmente, comprovou-se cientificamente a verdade do modelo padrão da Física que explica as forças existentes na Natureza, exceto a Gravidade.

Da VEJA:


Pesquisadores que previram bóson de Higgs ganham Nobel de Física

O britânico Peter Higgs e o belga François Englert previram nos anos 1960, de forma independente, a existência do campo de Higgs, responsável por dar massa a todas as outras partículas. Sua existência foi finalmente comprovada no ano passado, por pesquisas realizadas no LHC.

Os físicos François Englert e Peter Higgs receberam o Prêmio Nobel de Física de 2013, como reconhecimento à teoria que explica como as partículas subatômicas adquirem massa. Em 1964, os dois propuseram a teoria de forma independente um do outro. Em 2012, quase cinquenta anos depois, suas ideias foram finalmente confirmadas pela descoberta de uma partícula conhecida como bóson de Higgs no Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), o maior acelerador de partículas do mundo. A descoberta era a última peça que faltava para confirmar o modelo padrão da física de partículas, que descreve como o mundo funciona em suas estruturas mais básicas, menores do que os próprios átomos.
De acordo com o modelo padrão, tudo — de pessoas a estrelas — é composto por apenas algumas partículas minúsculas de matéria, como os elétrons e os quarks. Essas partículas são governadas por uma série de forças que as permite interagir entre si: a gravidade, o eletromagnetismo , a interação fraca e a interação forte dos átomos. Até os anos 1960, no entanto, os pesquisadores não conseguiam explicar como algumas partículas ganhavam massa, e outras não. Sem essa massa, partículas como elétrons e quarks se comportariam como os fótons, as partículas de luz, e correriam livres pelo Universo — sem a capacidade de se aglutinarem e formarem átomos ou moléculas. Em outras palavras, toda a matéria entraria em colapso e nada existiria.
Tanto François Englert quanto Peter Higgs eram jovens cientistas quando, em 1964, formularam a teoria que iria resgatar o modelo padrão do descrédito. Suas ideias foram formuladas de forma independente, cada um em seu laboratório (Englert teve a colaboração do físico Robert Brout, morto em 2011), mas elas tocavam em pontos semelhantes. Ambos previram a existência de um campo invisível percorrendo todo o espaço — que viria a ser conhecido, de forma um pouco injusta com Englert, como o "campo de Higgs" — que seria responsável por dar massa às partículas. Aquelas que interagissem com ele, como os elétrons, ficariam mais pesadas, e aquelas que não sentissem seus efeitos, como os fótons, se locomoveriam livremente, na velocidade da luz.
Segundo a teoria, que seria desenvolvida por vários outros cientistas ao longo das décadas, no momento do Big Bang todas as partículas não possuíam massa. No entanto, nos primeiros trilionésimos de segundo após o início do Universo, algo aconteceu com o campo de Higgs, fazendo com que ele perdesse seu equilíbrio original e passasse a interagir com as partículas — permitindo que toda a matéria visível surgisse. Para comprovar a teoria, os pesquisadores precisavam encontrar o bóson de Higgs, uma partícula criada a partir de vibrações nesse campo. Durante as décadas seguintes, no entanto, ela se recusava a aparecer nas diversas pesquisas realizadas ao redor do mundo.
Colisões subatômicas — Foram necessários quase cinquenta anos de pesquisas, realizadas por milhares de cientistas nos laboratórios mais avançados do planeta, para que provas de sua existência fossem finalmente alcançadas. As evidências foram encontradas em detectores de partículas instalados 100 metros abaixo do solo, na fronteira franco-suíça, no LHC.
Ali, dois grupos de pesquisa com cerca de 3.000 cientistas cada um, o Atlas e o CMS , vinham incessantemente lançando prótons uns contra os outros a velocidades próximas à da luz e procurando, entre os destroços das colisões, o bóson de Higgs. Finalmente, no dia 4 de julho de 2012 , os cientistas anunciaram para o mundo a descoberta da partícula — François Englert e Peter Higgs estavam na plateia, visivelmente emocionados.
Com o anúncio, os físicos finalmente colocaram a peça que faltava para montar o quebra-cabeça do modelo padrão, confirmando os fundamentos da teoria. Isso não quer dizer, no entanto, que o quebra-cabeça cósmico está completo. O LHC ainda deve continuar sendo usado nos próximos anos, para analisar questões que o modelo padrão não aborda ou não consegue explicar completamente. A teoria, por exemplo, afirma que os neutrinos são partículas praticamente sem massa, mas estudos recentes têm mostrado que isso não é verdade.
Além disso, o modelo descreve apenas a matéria visível do Universo — o que representa apenas um quinto de tudo compõe o cosmos. Um dos grandes mistérios da ciência hoje em dia é descobrir os componentes da matéria escura, que mantém todas as galáxias unidas, mas é invisível a partir da Terra. Como se vê, o Nobel de Física coroa uma enorme pesquisa, de quase meio século de duração, que confirma a teoria mais completa já feita para explicar o cosmos. No entanto, ainda há muito a ser descoberto, e muitos prêmios a serem distribuídos.


O Vampiro de Curitiba


11 comentários:

DIIIIVOS!!!!!! UH-HU!!!!

 

DIIIIIIIIVOS!!!!!!! UH-HU!!!!!!

 

Me desculpem pela demora na aprovação dos comentários. Tô numa correria do cão, fazendo mudança, etc...

 

tá desculpado meu véio....vai pra Brasília estudar as "partículas do demo"???? kkkkkk

 

Nem tanto (rs)... Vou ficar com os demônios de Curitiba mesmo...(rs)

 

Partícula Deus, e não de Deus.Como eu não sou físico, mas tenho um bom porte,(segundo a Mamãe), não quero corrigir ninguém, dado que eu sou incorrigível, talvez por isso, eu não tenha massa, como o fóton, ou Bóson de Tene, o mais tenebroso de todos os Bósons.Entenderam?

 

Pronto....minhas consoantes estão funcionando de novo; é difícil cumprimentar, perguntar como estão as coisas e ainda dizer que estou na área, tudo isso só com algumas vogais rsrsrs

Eita....cadê novos textos Vamp?

Enquanto as partículas se aceleram o blog hiberna de novo?

Quando é que você vai voltar a chupar o sangue dos petistas meu véio? Hã?????

 

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão aprovados.